FECHAR
113

Hino Nacional brasileiro

“Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heroico o brado retumbante...” Que país é este, que deveres temos como brasileiros e o que significa respeitar a terra em que nascemos? Este foi o questionamento que desencadeou o mergulho dos estudantes do segmento do Integral ECCOS na letra do Hino Nacional brasileiro. Este estudo despertou a vontade de socializar os saberes pela linguagem do teatro com todos os alunos do colégio. Permitiu nosso reconhecimento deste símbolo nacional como representação do sentimento de cidadania. Uma descoberta de identidade coletiva, interessada nas diversidade de riquezas do nosso país. “From the Ipiranga, the placid banks heard the resounding cry of a heroic people...” What country is this, what duties do we have as Brazilians and what does it mean to respect the land on which we were born? This was the question that triggered the full-time students to dive in the lyrics of the Brazilian National Anthem. This study arouse the desire to socialize their knowledge with other students through drama. That made us recognize this national symbol as a representation of the feeling of citizenship. A discovery of collective identity, interested in the rich diversity of our country. [gallery ids="7445,7446,7447,7448,7449,7450,7451,7452,7453,7454,7455,7456,7457,7458"]

001

ECCOS Open House

September had a great start for ECCOS’s students, parents and teachers. It was our first ECCOS Open House. “Open house is an event when schools open their doors so parents can meet with teachers and get a glimpse into their children’s learning day”. Having this in mind, we decided to have our first Open House, so families could get acquainted with their children’s teachers, see the classrooms, get an overview of the work their children had done and have a moment to talk in English. Parents and children had a great moment together, with children sharing what they learned, showing their materials, watching videos of their class activities, reading and playing games. We are positive that this was a great opportunity to reveal details of how our bilingual program develops in school. Looking forward to the next one. Setembro começou com tudo para a comunidade ECCOS. Tivemos o nosso primeiro Open House. “Open House é um evento em que as escolas abrem suas portas para que as famílias possam se encontrar com os professores e conhecerem um pouco mais sobre a rotina de aprendizagem das crianças”. A partir dessa ideia, decidimos fazer o nosso primeiro Open House, para que as famílias pudessem conversar com as professoras de seus filhos, verem as salas de aula, apreciarem os trabalhos das crianças e terem um momento para falarem em Inglês. Pais e filhos se divertiram bastante, as crianças compartilharam o que elas aprenderam, mostraram seus materiais, assistiram aos vídeos das atividades de sala, leram livros e jogaram. Temos a certeza de que esta foi uma ótima oportunidade para revelar como nosso programa bilíngue acontece na escola. Estamos ansiosos pelo próximo. [gallery ids="7401,7402,7403,7404,7405,7406,7407,7408,7409,7410,7411,7412,7413,7414,7415,7416,7417,7418,7419,7420,7421,7422,7423,7424,7425,7426,7427,7428,7429,7430,7431,7432,7433,7434,7435,7436,7437,7438,7439,7440,7441,7442"]

000

Undokai, um resgate das tradições

Quando lançamos o evento Undokai em nossos meios de comunicação (agenda do aluno, e-mail dos responsáveis, Facebook e blog), houve um alvoroço entre a comunidade Nikkei do Colégio ECCOS. O motivo: a lembrança dos Undokais da infância. Poder reviver e viver junto aos filhos, agora como pais, as alegrias do Undokai; voltar às origens; resgatar uma tradição outrora esquecida; transmitir a cultura dos nossos pais, avós e bisavós e preservar nossa história. Quantos pensamentos e sentimentos afloraram... Somos uma comunidade composta por 25% de descendentes japoneses. Temos uma história que começa, no Brasil, em 1908, com o primeiro navio japonês, Kasato Maru, a desembarcar em Santos, trazendo 800 imigrantes japoneses com a esperança de uma vida melhor. Somos descendentes de imigrantes que assim como outros, tornaram-se brasileiros de coração e alma, buscando sempre o melhor para o nosso país, sem esquecer do melhor que nossos antepassados nos ensinaram: respeito pelos mais velhos, respeito pelo outro, disciplina, organização e cuidado com o espaço coletivo. Mas à medida que as gerações mais antigas vão partindo e que o nosso dia a dia vai nos consumindo com sua correria, suas preocupações, suas urgências e consequentemente, com a falta de tempo para conversas ao pé do sofá, nossa memória, costumes e tradições vão se perdendo e no final, não sabemos mais quem somos. Por isso o Undokai não foi apenas um momento de brincadeiras, ou apenas um momento de integração das famílias com a escola. O Undokai foi um momento de resgate da nossa história e cultura, um compartilhar de tradições, o respeito pela cultura do outro, com suas danças, músicas e culinárias típicas, a prática da convivência sem interesses e a doação do tempo, talento e força para o bem-estar de uma comunidade. Nossos agradecimentos especiais: Ao Bazar Hondo, na pessoa do Celso Yasawa, que nos concedeu os prêmios para as brincadeiras; Ao Clube Recreativo Orion, na pessoa do Sr. Keigo Kikko, que nos ofereceu os equipamentos e suporte para o evento; A Associação Cultural Nipo Brasileiro - BBC, com o grupo de dança do Bon Odori; A Associação Cultural Jardim Paraíso, que nos concedeu a chapa para o Yakissoba; Ao Grupo de Taiko, Gookai Wadaiko, que abrilhantou nossa festa com o som marcante dos taikos; A Associação Bunkyo de São José dos Campos, na pessoa do Sra. Emília Niwa, que nos apresentou o time de beisebol e softbol de São José dos Campos e nos concedeu as barracas de alimentação; A Goma Consultoria, que nos deu a assistência na logística dos alimentos e conseguiu a cesta básica da Combrasil para ser rifada pelos alunos do 8º ano, para a formatura em 2018; A JICA - Japan International Cooperation Agency, que tem nos oferecido suporte para a presença do professor do Japão em nosso Colégio ECCOS; A Igreja Metodista Livre de São José dos Campos, na pessoa da Sra. Hilda Kurotaki, que se voluntariou para preparar o delicioso Yakissoba vendido no dia; Ao Irie Restaurante Japonês, Edo Zushi e Cia. do Café, que ofereceram vales refeição para serem sorteados no dia; A CBS Skate, na pessoa do Gilberto Serrano, que ofereceu brindes para serem sorteados no dia; Aos voluntários que madrugaram para a arrumação do espaço, Marcelo Isikawa (pai da Luísa, 5º ano M), Denny Nakagawa (pai da Luísa, 4º ano M), Paulo Turetta (pai da Ana Clara, 4º ano M), Fabiano Saito (pai da Bruna, 4º ano M), Milton Otsuji (pai da Larissa, 1º ano M), Sidney Ávila (marido da orientadora Roseli Freitas), Paulo Carolino (marido da coordenadora Renata Saraiva), nosso muito obrigado! A toda equipe ECCOS, que não mediu esforços para que o 1º Undokai ECCOS fosse realizado, nosso muito obrigado! A nossa Comunidade ECCOS, sempre tão presente e apoiadora de nossas ações, nosso muito obrigado! Cordialmente, Julyanne Nakagawa e Henry Oliveira, mantenedores do Colégio ECCOS. [gallery ids="7290,7291,7292,7293,7294,7295,7296,7297,7298,7299,7300,7301,7302,7303,7304,7305,7306,7307,7308,7309,7310,7311,7312,7313,7314,7315,7316,7317,7318,7319,7320,7321,7322,7323,7324,7325,7326,7327,7328,7329,7330,7331,7332,7333,7334,7335,7336,7337,7338,7339,7340,7341,7342,7343,7344,7345,7346,7347,7348,7349,7350,7351,7352,7353,7354,7355,7356,7357,7358,7359,7360,7361,7362,7363,7364,7365,7366,7367,7368,7369,7370,7371,7372,7373,7374,7375,7376,7377,7378,7379,7380,7381,7382,7383,7384,7385,7386,7387,7388,7389,7390,7391,7392,7393,7394,7395,7396"]

001

Skype com Bangladesh

A aprendizagem cultural é uma faceta da educação que exerce um papel fundamental no desenvolvimento da cidadania global e na construção de uma cultura de paz no mundo. Através dela os indivíduos não só se localizam enquanto identidade, mas também e em igual patamar de importância, aprendem a valorizar as diferenças, a entender como riqueza aqueles aspectos distintos que outros povos revelam e agregam ao patrimônio cultural da humanidade. Cultural learning is one facet of education that has a main role in developing global citizenship and in the building of a culture of peace in the world. Through this, the individuals not only find their own identity, but also and in the same level of importance, they learn to value the differences and understand as very rich those distinct aspects that people from other culture reveal and add to humanity's cultural heritage. É nesta perspectiva que o Colégio ECCOS vem estabelecendo e desenvolvendo parcerias com escolas de outros países, propiciando aos nossos alunos as oportunidades de uma troca frutífera de informações e participando de projetos com foco em temas de interesse global. Uma das culminâncias desse processo se dá quando os alunos se comunicam diretamente com interlocutores de outros países, conferindo significado ao aprendizado da segunda língua. It is in this perspective that ECCOS School is establishing and developing partnerships with schools from different countries, providing our students opportunities to make a great and useful exchange of information and taking part in projects focused on Global Interest topics. One of the culminations of this process happens when the students can communicate with other countries interlocutors, making the learning of a second language really worth. No dia 16 de agosto, tivemos um desses momentos preciosos, envolvendo nossos alunos dos 3º anos da manhã e da tarde e a Professora Raihana Haque, diretora da Banshgari 1 Government Primary School, localizada em Dakha, Bangladesh. Nossos alunos, que já vêm desenvolvendo atividades compartilhadas com alunos daquela escola, tiveram a oportunidade de dialogar com a professora Raihana e apresentar as perguntas que haviam elaborado anteriormente, abordando diferentes aspectos da vida escolar em Bangladesh: "Na escrita bengali, escreve-se da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda?"; "que esportes vocês praticam aí?"; "as provas são feitas individualmente ou em grupos?"; "que línguas vocês aprendem na escola?"; "como as crianças se divertem na escola?"; e muitas outras perguntas sobre tudo o que aguçava sua imaginação e curiosidade. On August 16, we had one of these precious moments, getting students from Year 3 (morning and afternoon) involved in a talk to Miss Raihana Haque, principal of the Banshgari 1 Government Primary School, located in Dakha, Bangladesh. Our students, who have already been developing some shared activities with students from that school, had the opportunity to talk to Miss Raihana and show the questions they had prepared previously, approaching different aspects of school life in Bangladesh, such as: "In Bengali writing, do you write from right to left, or from left to right?"; "what sports do you practice there?"; "are the tests taken individually or in groups?"; "what languages do you learn at school?"; "how do the children have fun at school there?"; and many other questions about anything and everything that would sharpen their imagination and curiosity. [gallery ids="7274,7275,7276,7277,7278,7279,7280,7281,7282,7283,7284,7285"]

001

Festa junina ECCOS ‘Mantiqueira: Serra de Muitas Histórias e Encontros’

Na Mantiqueira Por entre as ameias da cordilheira dormida, a lua se esgueira, como um lótus branco na serra de dorso de um crocodilo, brincando de esconder. Dá para o alto um arranco, repentino, de balão sem lastro. E sobe, mais clara que as outras luas, quase um sol frio, redonda, esvaindo-se, derramando, esfarelando luz pelos rasgões, do bojo farpeado nas pontas da montanha. (João Guimarães Rosa, em 'Magma') 'Amantikir' é um termo indígena que deu origem à palavra Mantiqueira, cujo significado é "Serra que Chora". A Serra da Mantiqueira é uma cadeia montanhosa que se estende por três estados brasileiros: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Com toda esta inspiração, a tônica da Festa Junina ECCOS 2017 estava dada: Serra da Mantiqueira. Nossos estudantes se envolveram com a regionalidade da serra, encantando o público no último sábado com apresentações para celebrar os valores culturais tipicos das cidades que compõem esta região. Alegria, música, dança e a reunião de pessoas, marcam a nossa identidade regional. Todos estes elementos estiveram presentes ao redor da viola, sanfona e muita animação dos nossos parceiros: músicos e apresentador que deram o tom da festa. Pra arrematar, muita comida boa e brincadeiras. Nossa festa celebra o vínculo por meio dos saberes e valores que cultivamos. E já estamos com muitas expectativas para a próxima. Eita trem bão, sô! [gallery ids="7212,7213,7214,7215,7216,7217,7218,7219,7220,7221,7222,7223,7224,7225,7226,7227,7228,7229,7230,7231,7232,7233,7234,7235,7236,7237,7238,7239,7240,7241,7242,7243,7244,7245,7246,7247,7248,7249,7250,7251,7252,7253,7254,7255,7256,7257,7258,7259,7260,7261,7262,7263,7264,7265,7266,7267,7268,7269"]

Mais artigos